sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Lançamento álbum Liberdade - Teatro Atiaia GV - O dia depois

foto: Maiana Cavalcanti Felizardo
 
Foi com muito prazer que colocamos na rua o show Liberdade.

Vocês podem imaginar o que é ficar quase dois anos trabalhando e idealizando essas músicas, já não estava aquentando mais tocá-las em casa... rs. O disco chegou tbem, agora físicamente temos três cds.

Pois bem, o primeiro show acontecendo em GV, teve esse gosto de mostrar antes em casa, pros amigos, aquela coisa de quem viu o primeiro, o segundo, e agora o terceiro. Foi muito massa.


Tocamos o disco na íntegra. Pra mim e pra banda estava demais, o som rolando muito bem e o feedback gostoso. Foi a primeira vez que tocamos várias músicas. Então, Muito Obrigado, É o fim... Foi bem diferente da correria de tocar na noite ou em boates, até estranhamos o fato de estarmos nos ouvindo tão bem, o público também sentiu assim. Rolou um bate papo descompromissado, podemos apresentar as músicas, falar um pouco delas e do processo criativo do disco.

Depois do show descemos, assinamos alguns cds e ficamos por ali com o pessoal. Semana que vem será em BH, no teatro Klauss Vianna, o show fará parte do programa Oi Novo Som, da rádio OI FM, e contará tbem com a apresentação da banda Los Porongas, do Acre. Vai ser muito bacana.

Já estamos na pilha!!!

Obrigado à todos que se locomoveram até o Atiaia, foi ótimo!

Abraços e bom fim de semana.


Fernando Persiano

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Show de lançamento "Liberdade"


Que maravilha! Já é realidade!


Cores, músicas, discos, letras, sons... O disco saiu, agora é o show!

Estamos pegando pesado nos ensaios pra que corra tudo mais leve possível.

Será um prazer tocar o álbum na íntegra.

Os ingressos começarão a ser vendidos até sexta feira no site www.compraconexa.com.br e na loja "Cadência" tel 3276-2429.

Lembrando que o disco tbem está à venda no site do compra conexa.

Agora é a hora.

Até breve amigos!

Fernando Persiano

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Olhos Pequenos

Olhos pequenos mira o presente e o futuro.

Essa música serve de amuleto pra desbravar novos terrenos. É daquelas que jogam o camarada pra frente.

Pra mim é como a frase que pintamos na porta do estúdio Bulldogue, onde foi gravado o disco novo, "Burrice é fazer as coisas do mesmo jeito e esperar resultados diferentes" 

A canção é fruto de uma experiência com altos e baixos, tem um sinceridade ardida e uma nudez positiva.

Quando encaro algum desafio diferente que me gera tensão ou medo, lembro de Olhos, tá tudo ali. O disco é todo assim.

Sobre o processo de composição, afirmo que os dois refrões vieram enquanto eu andava pelas ruas de Sampa, tenho essa mania de trabalhar as músicas caminhando. Estava na rua Fradique Coutinho, no bairro Pinheiros, quando rolou o insight. O resto foi composto em casa.

Na gravação ela segue a mesmo estilo de O Presente, faixa que abre o álbum. Três vozes principais, cada uma com sua parte.

Não poderia ser outra pra fechar a trilogia.

Tudo foi dito sem vergonha e sem censura. Agora é colocar em prática e viver com menos ansiedade, apostando no dia a dia e na fé.

É isso!

Foi ótimo dividir cada história por trás das músicas, acho que ilustrou bem as emoções e nos deu a oportunidade de nós conhecermos ainda mais. Foi essencial.

Muito obrigado pelo carinho e uma boa caminhada pra todos.

Abraços!


Fernando Persiano.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

É o fim


Esta música é uma parceria com um velho e bom amigo chamado Fábio Antônio Leal ... o Fabinho!!

Fabinho foi guitarrista fundador da nossa Brick Heads, onde passamos todos, grandes e inesquecíveis momentos ... depois de um tempo longe dos palcos, retornou mostrando seu talento na banda Obeco, q nos trouxe grandes alegrias! 

Autor de "Meu Blues" e tantos outros acordes sensacionais, há um tempo atrás, praticamos o que durante longa data ainda não havíamos feito... uma canção juntos!!!

A história começou quando fui contemplado com uma letra que o próprio havia escrito, em um momento significativo na sua vida... li por algumas vezes e guardei bem guardado ... deixei acontecer como sempre acontece comigo ... que a inspiração viesse ... e veio logo!!

Lembro bem quando mostrei pela primeira vez... foi uma surpresa e foi massa ... estávamos em sua fazenda e ao lado havia uma fogueira de uns 2 metros(rs), churrasco e aperitivos, quando toquei trêmulo na sua guitarra ... ali ficamos por um bom tempo, entre brindes e palpites!! Tinha nascido uma nova canção!!!

Já no estúdio, passamos por várias versões ... com gaitas, slides, riffs cortantes, hammonds ..... e o q aconteceu? A música ficou como veio!!!!

Léo, nosso querido produtor, depois de muito pensar decidiu q eu a gravasse como nasceu... foi um desafio... assim como foi a primeira vez q musiquei uma letra, foi a primeira vez que gravei um violão e voz!!

O resultado foi que redescobri um antigo cara ali... um cara "violão e voz"... e foi com emoção, sinceridade, que depois de vários takes o Léo bateu o martelo e finalizou o dia ... tava lá o que ele precisava ... era o fim de "É o fim" !

Como o próprio nome diz, este momento sela de vez o desfecho de uma fase e dá início à uma nova pessoa ...  segura, agradecida, livre e pronta pra o que esta nova vida lhe oferecer... 

O fim está chegando e o início, bem próximo!!!

Valeu, amigo Fabinho!!!

Bjo grande nos corações!!!


Paulinho Rodriguez!!!


quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Aquele Menino


Particularmente tenho um carinho muito grande por esta música... é uma das que mais me identifico, pela intensidade da harmonia e melodia crescentes, pela maneira como essa história de superação, amadurecimento, evolução, me faz refletir!! 

Poderia ser facilmente, a descrição de um grande momento na vida de qualquer pessoa e essa foi a hora em que o personagem se encontra livre de suas barreiras pessoais, pra dar esse passo tão importante... afinal, estamos falando de liberdade... aquela liberdade que vem de dentro!! 

E é aí que eu me lembro das crianças... pra mim, a melhor ilustração desse tema, o melhor resumo desse significado... exatamente por possuírem o dom natural de viver e demonstrar que são assim...  livres!!

Que sejamos todos assim, mesmo que não possamos voltar a ser quem éramos!!

Conheçam "Aquele Menino" no vitrolas.com.br !!

Um forte abraço,

Paulinho Rodriguez!!

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Odisséia

Odisséia!!!

A fase q o personagem se encontra no disco azul, é perfeita pra q ele possa "revisitar" suas pendências. Num momento mais seguro e mais ciente do que a vida pode lhe proporcionar, ele "brinca" de uma maneira descontraída, com um relacionamento. 

Acho que eu sempre tive esse lado informal e satírico de abordar esse tema. A música meio que segue a linha das já conhecidas "Cadillac 59" e "Agora é Tarde", do primeiro e segundo discos respectivamente... 

Numa pegada mais rock, Odisséia vem se mostrando muito prazerosa de ser tocada... eu particularmente gosto muito das guitarras ardentes e slides rasgados... gosto mesmo!!! 

E é neste clima de válvulas incandescentes que eu convido todos pra esta viagem!!!

Bem vindos à Odisséia!!!


Saudações Calorosas!!!


Paulinho Rodriguez!!!

domingo, 11 de setembro de 2011

Então


Não imaginava que “Então” seria selecionada para o disco. A música foi composta em São Paulo. A influência já está no nome...rs

É um reencontro ao mesmo tempo doce e amargo com uma época, pessoas, situações...

Qdo gravei a voz, estive com a mente no colégio onde fiz o ginásio e o científico, o colégio Ibituruna. Visitei o pátio, o banheiro, as salas, senti o cheiro da cantina, vi as pessoas... tudo mentalmente...rs. Não preocupei com mais nada. Praticamente todas a músicas que gravamos, nos levam a algum lugar ou nos trazem sensações, a prioridade era sempre se deixar levar. As luzes estavam apagadas.


Na história do álbum, Então dá início ao último disco, “o azul”. 

A trilogia Liberdade, começa no passado e termina no presente. Aqui, já estamos chegando no discurso atual, o sentimento é de maior acomodação em relação a realidade, porém com aquela eterna sensação de que tem muita coisa ainda pra realizar... O tempo não para!


É uma das faixas que mais seguiu as estruturas da sua demo original. Há alguns dias, ouvi todas as músicas ainda só com violão e voz, como foram apresentadas. É bem interessante comparar com o que foi gravado, dá pra sentir a evolução da canção. Depois podemos dividir isso com todo mundo.

Já está disponível para download no http://www.vitrolas.com.br/disco-3?download=11%3Aentao

Abraços!

Fernando

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Corram


Corram, como sempre digo, foi a minha primeira contribuição nas composições da banda. É incrível como veio quando eu menos esperava...durante anos eu tentei compor alguma coisa que agradasse, mas foi quando me distraí que ela apareceu.

Lembro que eu estava deitado na casa dos meus pais tocando violão e assistindo TV. E num daqueles dedilhados despretensiosos ela nasceu. Ali mesmo vi que alguma coisa interessante havia surgido. Me dediquei àquele dedilhado pra que ele tomasse uma forma e durante meses executei aquela música instrumental antes de apresentar pra alguém. Quando resolvi mostrar, um a um, meus companheiros foram dando a forma atual e inesperada a essa canção que me orgulha cada dia mais.

Primeiro mostrei pro Paulinho, numa noite de festa em Nova Lima, chamei-o até o estúdio e toquei essa melodia diretamente na guitarra ....pura....O comentário dele foi que a música estava pronta e não precisava de letra. Era uma harmonia e melodia prontas para serem executadas.

Depois disso mostrei pro Fernando que também gostou muito e alguns dias depois me apresentou uma letra simples e profunda, falando de temas que já havíamos conversado e vivido ali naquela mata de Nova Lima. A busca por um lugar melhor, próximo a natureza e os animais. O Fernando também seguiu a linha do Paulinho, dizendo poucas palavras e deixando fluir ao máximo o instrumental realçando a cria original.

Quando tudo foi apresentado ao Léo, o produtor, ele viu ali uma trilha sonora de filme. Reafirmando a parte instrumental e colocando a sua bateria naquele mesmo clima, buscando dar sentido a fuga e correria dos animais. O Loro contribuiu com seus slides flutuantes e seu riff rockabilly no final que fechou tudo com chave de ouro.

Nada como ter parceiros confiáveis e talentosos pra transformar uma singela canção de um violão em uma obra que muito me orgulha. Obrigado amigos!

Com vocês: Corram!


Grande abraço,

Berna Dias

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Muito Obrigado


Muito Obrigado foi talvez a última música a ser composta para o novo disco. Quase se chamou A casa dos meus pais.

A letra é bem direta, e os elementos estão todos lá. A rua, o quarto, a foto, a varanda, o café com pão, o calor...

Num final de semana como o descrito na canção, meu pai estava com o Ipod ouvindo as gravações prévias do disco, quando natualmente passou pela música. Eu não tinha falado nada. Logo que a faixa terminou, ele já meio sorrindo veio perguntar pra quem foi feita a música...rs.

Foi massa, fiquei emocionado com a reação dele e depois quando mostrou pra minha mãe. Senti uma paz gigante ao presentea-los.

Muito Obrigado tinha um andamento em ¾ e era um tom abaixo. Na pré-produção, quando o Paulinho foi trabalhar os sons que ia usar, sugeriu uma modificação no arranjo e uma alteração no tempo, curtimos.


O Léo levou as execuções individuais para um lado que ainda não tinhamos ido. Tirou a bateria, e deixou os instrumentos flutuarem nas suas próprias melodias. A linha do baixo, tem uma onda com a melodia de Hava Nagila (um Satisfaction da música Judáica, rs ), a sacada foi proposital, tem tudo a ver.

Ficou ótimo, acho que todos tocaram de maneira fantástica.


Valeu!



Fernando Persiano

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Ela


Ela é uma delícia!

Sou adepto a um mundo dominado pelas mulheres. Cem por cento.

Quando era criança, ficava viajando naqueles desenhos dos super amigos, quando mostrava a ilha de onde veio a Mulher Maravilha. Um lugar   onde só existiam mulheres, as Amazonas ( lindas guerreiras oriundas das lendas gregas ), com aqueles saltos, shorts, super poderes, sensibilidade... Fascinante!

Acho que o mundo seria mais justo, menos ganancioso. Tô curtindo essa ascenção feminina nos papéis rotineiros.

Ela, a música, é o exercício de fechar os olhos, acalmar a mente e deixar vir todas as sensações, sentimentos, imagens, e cheiros que a mulher pode trazer. Acho que estão ali, todas as minhas informações desde o tempo em que mamava na minha mãe.

A primeira versão da canção, tinha a letra um pouco mais abstrata e menor. Na pré-produção, o Léo me instigou a descreve-la melhor, entrar mais, sentir, tocá-la... Foi maravilhoso, fui e voltei de mãos dadas...rs

Um brinde à mulher!!!

Bjs

Fernando Persiano

www.vitrolas.com.br

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O Cisco

Considero "O Cisco" a música da virada do disco. Ao mesmo tempo que ela justifica alguns atos e posturas em relação ao que se viveu até ali, ela tbem afirma e dá motivos pra esses momentos. 

Acho que essa dualidade, tem a ver com o meu signo de gêmeos. Mas é sem dúvida um passo adiante, os psicólogos e terapeutas concordam comigo.

O Cisco “apareceu” enquanto eu tentava melhorar uma música que acabou ficando esquecida.

Foi num período em que registramos algumas idéias ainda em São Paulo, no quarto do Léo, isso em 2007. Gravamos umas quatro músicas de maneira descompromissada, toquei guitarra em uma, o Léo fez o baixo, e quem estivesse na sala vendo tv, era chamado pra contribuir, enfim, experimentamos coisas e direções que foram usadas nesse álbum. Foi de fato uma retirada de um cisco nos olhos, tanto musical, quanto em posicionamento de vida.

Pois bem, estavamos gravando uma onda meio tensa, meio lenta, meio samba chamada Mil Receios, já tinhamos feito o instrumental, mas faltava dar um aperto nas palavras.

Acabou que no meio dessa mexida, rolou uma outra melodia e nova letra em cima da harmonia da música já gravada. No final, os mil receios foram deixados de lado e o cisco foi arrancado. Saldo positivo...rs

Espero que curtam também!

Obrigado e até logo mais.


Fernando Persiano


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Liberdade

Estamos no segundo disco, "o verde".

Liberdade foi a música que mais deu trabalho pra fazer. Acabou por ser uma das mais simples de todas. Reflete uma transição mesmo, é como colocar uma armadura e sair.

Porém, essa simplicidade não veio tão fácil assim.

Em 2006, peguei com a minha cunhada, Carolina Lana, um poema pra musicar chamado Libertas Quae Sera Tamen. Já tinhamos feito essse tipo de parceria anteriormente, Querer, do disco Somos um Só, é uma delas.

Pois bem, tentei em várias ocasiões trabalhar uma música, mas não consegui fazer algo satisfatório, acabei deixando de lado.

Em São Paulo, quando já mexiamos nas composições do disco, surgiu a idéia de um coro nas ruas gritando o trocadilho Ô Liberdade que será também, Ô Liberdade que será também... Não é a tradução dos dizeres da bandeira mineira. Lembrei e voltei no poema da Carol, tentei encaixar o resto da letra, mas não deu. Tinha apenas o refrão.

Quando fomos gravar as demos pra escolher as músicas do novo álbum, eu já tinha feito uma segunda parte, mas que pra falar a verdade, não convencia muito não. Mostrei pro Léo, que concordou comigo. Gostou do refrão, mas o miolo ainda faltava. 

Ficamos uns meses testando opções, até versão em inglês apareceu. Mostramos pro pessoal, o Paulinho chegou a cantar, mas lá no fundo a gente sabia que não estava rolando ainda. A música já tinha sido escolhida como tema central e nome do discomas só existia o refrão...rsrs.

Já estavamos na pré-produção, mas letra e melodia não fechavam, chegamos a gravar a música na prévia toda instrumental. Como o Tom Jobim já citou aqui no blog anteriormente, música é 5% inspiração e 95% transpiração. Numa dessas veio o que estávamos procurando. A mais direta e menor letra de todas. rsrs

Na virada do ano joguei uma porrada de rascunhos fora.

O filme abaixo, foi feito no momento em que foi terminada a canção. É cantada ainda em tom baixo e silencioso. Existem sutís diferenças com a letra que foi gravada.

video

Era uma manhã chuvosa de setembro de 2010. Incrível, exatamente há um ano. Coincidênicia?!

Obrigado pela atenção, abrs

Fernando Persiano

Disponível no www.vitrolas.com.br